Amanhã pode ler no Ípsilon

Na capa:

“O Segredo de um Cuzcus”

Um grande filme popular à nossa mesa

Espectáculo de comida, diálogos e rostos. Uma família magrebina abre e cicatriza as suas feridas. Com “O Segredo de um Cuzcus” Abdellatif Kechiche faz um filme caloroso, utópico, um grande filme popular. Como é possível resistir? Sentemo-nos à mesa com esta família.

e…

Le Corbusier

Criou uma persona – Le Corbusier. Achava que só a arquitectura podia mudar o mundo. Desenhou móveis, casas e cidades, sonhou com arranha-céus, coleccionou conchas e ossos e encantou-se com o Oriente. Uma grande exposição no Museu Berardo, em Lisboa, apresenta o maior arquitecto do século XX. De quem não é fácil fazer um retrato, porque há demasiadas linhas de fuga nesta figura.

Camille com o corpo todo

A francesa Camille é daquelas cantoras que canta também com o corpo. Talvez por isso a sua música esteja tão perto da performance, da dança, da ópera, da pop, de explodir.

Tosca, personagem sem limites

Elisabete Matos faz de Tosca, a grande heroína de Puccini, personagem de emoções extremas que têm de ser planeadas meticulosamente.

Clara Andermatt

O céu é dela

“Meu Céu”, a nova criação da coreógrafa Clara Andermatt, é ela na rua com 32 pessoas: dois músicos, uma cantora, quatro performers, sete “traceurs”, 15 idosos, e no fim entram os Loosers. Tinha de ser uma coisa em grande, e é. O céu é dela hoje e amanhã em Santa Maria da Feira, e dias 3 e 4 de Junho no Alkantara.

Rui Sanches do outro lado do espelho

Na sua primeira exposição individual em Lisboa em sete anos, Rui Sanches mostra-nos o Museu Nacional de Arte Antiga como ele o vê: um “work in progress”.

E ainda os perfis dos realizadores Jeanne Waltz, a realizadora suíça que vive há 20 anos em Portugal, e de Paolo Marinou-Blanco, um realizador português e americano que se estreia com “Goodnight Irene” .

1 Response to “Amanhã pode ler no Ípsilon”


  1. 1 VFS Maio 16, 2008 às 6:47 pm

    Causa (para Le Corbusier)

    A origem deriva de
    cinco pontos, todos eles
    nascidos das liberdades [sensoriais].
    A fusão com a paisagem é
    o sentido da obra, a razão de fazer
    existência.

    Solo, Ser, Homem, Estrutura, Arquitectura.
    Tudo é conjugável.
    Tudo é [meio]-ambiente.

    Só os cinco são a
    autenticidade.

    in Odes e Homenagens

    Peço desculpa se abuso do seu espaço. Vou ler. E vou tentar ir à exposição.
    VFS


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




Sobre

Este é um blogue do PÚBLICO, escrito por Isabel Coutinho. Desde 1996, a jornalista assina semanalmente a coluna Ciberescritas sobre o futuro dos livros, a presença de escritores na Internet e a relação entre as novas tecnologias e a literatura. isabel.coutinho@publico.pt

Fotos no Flickr

Mapa do Padrão dos Descobrimentos

Mapa do Padrão dos Descobrimentos

Mapa do Padrão dos Descobrimentos

Mapa do Padrão dos Descobrimentos

Mapa do Padrão dos Descobrimentos

Mapa do Padrão dos Descobrimentos

Mapa do Padrão dos Descobrimentos

Mapa do Padrão dos Descobrimentos

Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos

Mais fotos

del.icio.us Isabel Coutinho

Blog Stats

  • 28,797 hits

%d bloggers like this: