O método (e a ternura) de José Cardoso Pires

José Cardoso Pires era uma pessoa ternurenta e gostava de oferecer prendas a pessoas especiais. Nelson de Matos, o seu editor desde que este começou a trabalhar na edição, era uma delas.
O escritor ofereceu-lhe numa caixa o manuscrito do romance Alexandra Alpha a que juntou várias peças da produção desse livro. Há emendas, cortes e manchas no papel. É possível ver o seu método de construção de um romance. Existem outras caixas em posse de particulares.
Há dois dias o editor Nelson de Matos , que editou o único inédito deste escritor Lavagante – Encontro Desabitado, teve a amabilidade de abrir essa caixa que lhe foi oferecida e explicar o que ela contém. Pode ver o vídeo sobre esse momento (lá em cima) e ler o artigo publicado hoje no caderno P2 do PÚBLICO sobre o espólio do autor de O Delfim que hoje começa a ser doado pela família à Biblioteca Nacional de Portugal.
A assinatura do termo da doação pela viúva do escritor, Maria Edite Pereira – em representação dos herdeiros – e pelo director da BNP, Jorge Couto, é hoje às 18h30 na Biblioteca Nacional em Lisboa, com uma exposição das cinco versões do inédito agora publicado Lavagante.
A professora e ensaísta Maria Lúcia Lepecki irá apresentar o livro e enquadrá-lo no contexto da obra do autor.

(NOTA: Para quem aí, do outro lado, ao ver este vídeo esteja a gritar: “Usa a Macro! Usa a Macro!” só posso dizer que vou tentar superar a minha “nabice” em próximas oportunidades.)

5 Responses to “O método (e a ternura) de José Cardoso Pires”


  1. 1 rouxinoldebernardim Abril 9, 2008 às 4:03 pm

    jose cardoso pires era um príncipe das letras. o seu delfim é um ex-libris e prova eloquente disso mesmo! lhe tiro o meu chapéu, humildemente…

  2. 2 Meghy Abril 9, 2008 às 4:46 pm

    “De Profundis Valsa Lenta”… um verdadeiro hino à vida, visto do lado de lá… ou quase. Recomendo. Para ler. E reler.

  3. 3 msdove Abril 9, 2008 às 7:29 pm

    olá Isabel!

    Obrigada pelo link… o teu tb já está na minha lista!
    Bjs
    Susana

  4. 4 anamaria Abril 10, 2008 às 3:18 am

    Confesso que desdenhei este escritor por muito tempo…Quando o “descobri”, já tarde, foi uma revelação!
    Estas “ternuras”, estes toques aveludados, demonstravam bem a beleza da sua personalidade…

  5. 5 Elisangela Souza Maio 17, 2008 às 3:07 am

    Prezado Senhor,

    Preciso muito de ler um dos contos:

    A república dos Corvos;
    A cidade inventada;
    Os caminheiros

    de Jose Cardoso Pires e

    Estilo
    Holanda

    de Herberto Helder.

    para fazer uma prova de mestrado.

    Se o Senhor tiver um deles e puder me enviar por e-mail ficarei eternamente grata.

    Elisângela


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




Sobre

Este é um blogue do PÚBLICO, escrito por Isabel Coutinho. Desde 1996, a jornalista assina semanalmente a coluna Ciberescritas sobre o futuro dos livros, a presença de escritores na Internet e a relação entre as novas tecnologias e a literatura. isabel.coutinho@publico.pt

Fotos no Flickr

Mapa do Padrão dos Descobrimentos

Mapa do Padrão dos Descobrimentos

Mapa do Padrão dos Descobrimentos

Mapa do Padrão dos Descobrimentos

Mapa do Padrão dos Descobrimentos

Mapa do Padrão dos Descobrimentos

Mapa do Padrão dos Descobrimentos

Mapa do Padrão dos Descobrimentos

Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos

Mais fotos

del.icio.us Isabel Coutinho

Blog Stats

  • 28,797 hits

%d bloggers like this: